top of page

Os desafios do saneamento básico no Brasil


Os desafios do saneamento básico no Brasil são multifacetados, desde a necessidade de universalização do acesso até a infraestrutura deficiente, gestão ineficiente e recursos financeiros limitados. 



A Lei do Saneamento de 2020 surge como um marco legal para promover a universalização dos serviços, garantindo qualidade, eficiência e atraindo investimentos privados.


Nesse contexto desafiador, a gestão de ativos se destaca como uma solução crucial. 



Ela permite um planejamento estratégico eficiente e sustentável, otimizando investimentos, melhorando a eficiência operacional e cuidando dos ativos ao longo de seu ciclo de vida. Além disso, a gestão de ativos garante a qualidade das informações, estabelece parcerias para o desenvolvimento social e aumenta a resiliência do sistema.



A desestatização da Sabesp promete investimentos significativos até 2060, com foco na universalização do saneamento até 2029. O novo contrato estabelece metas de cobertura e qualidade, com tarifas reguladas de acordo com o desempenho da empresa, incentivando a prestação eficiente de serviços.



No entanto, é essencial reconhecer os riscos envolvidos, como a falta de capacidade técnica, escassez de componentes e materiais, e decisões tomadas sem o envolvimento das partes interessadas. Esses desafios podem comprometer a confiabilidade e durabilidade dos ativos, resultando em falhas prematuras e custos adicionais.



Assim, a gestão de ativos emerge como uma ferramenta essencial para promover a sustentabilidade e a qualidade dos serviços de saneamento básico no Brasil. Para superar esses desafios e aproveitar as oportunidades, é fundamental que as lideranças governamentais e empresariais promovam e exijam a gestão de ativos como parte integrante do modelo de negócios e dos sistemas de gestão.



Em frente!


Se gostou, curta, compartilhe, comente.


Posts recentes

Ver tudo

Comentarios


bottom of page